História


Durante o período colonial, Oiapoque era parte da Capitania do Cabo Norte. Nos primórdios do século XVI, os portugueses da América travam lutas com outros europeus, para estabelecer domínio territorial ao sul do rio Oiapoque - na época conhecido como rio de Vicente Pinzón - e ao norte do rio Amazonas, para expandir os impérios colonizadores que cada grupo representava.
Os primitivos habitantes da região são antepassados dos povos Waiãpi, que ocupavam a extensão territorial do rio Oiapoque; dos Galibi e Palikur, concentrados no vale do rio Uaçá e seus afluentes. A palavra Oiapoque tem origem tupi-guarany, sendo uma derivação do termo "oiap-oca", que significa "casa dos Waiãpi".
O município de Oiapoque originou-se da morada de um mestiço, em data que não se pode precisar, de nome Emile Martinic, o primeiro habitante não-índio do município. Sabe-se que a localidade passou a ser conhecida como "Martinica"; e, ainda hoje, não é raro ouvir essa designação, notadamente de habitantes mais antigos. Em 1907, o Governo Federal criou o Primeiro Destacamento Militar do município, que servia de abrigo a presos políticos. Alguns anos depois, esse destacamento foi transferido para Santo Antônio, atual distrito de Clevelândia do Norte, com a denominação de Colônia Militar. Para consolidar a soberania nacional sobre as áreas limítrofes, face ao contestado franco-brasileiro, foi, então, erguido um monumento à pátria, indicativo do marco inicial do território brasileiro.
O município foi criado em 23 de maio de 1945, através da lei 7578.

Geografia
O município de Oiapoque está localizado na parte mais setentrional do estado do Amapá. Limita-se ao norte com a Guiana Francesa, ao sul com os municípios de Calçoene, Serra do Navio e Pedra Branca do Amapari. Ao leste é banhado pelo Oceano Atlântico e a oeste faz fronteira com o município de Laranjal do Jari.
É composto por uma sede municipal (Oiapoque) e dois distritos:[4]
Clevelândia do Norte (área de destacamento militar do exército)
Vila Velha (área de propriedades agroextrativas)
Outras localidades se distribuem na área geográfica municipal:
Ponte do Caciporé (área de intercessão da BR-156)
Rio Cassiporé - importante ponto de apoio tanto para o tráfego rodoviário da BR-156, quanto para o fluvial, principalmente para os pecuaristas e agricultores da região, e outros povoados menores (indígenas) como: Manga, Santa Isabel, Espírito Santo, Açaizal, Urucaura e Kumarumã.
Vila Brasil (serve de apoio aos garimpos infiltrados nas Guiana Francesa)
Taperebá (área de apoio aos pescadores da costa marítima).
Existe apenas uma via de ligação com a capital do estado, Macapá: a BR-156, com aproximadamente 600 km. Por Oiapoque pode-se ter acesso à Guiana Francesa pela Ponte Internacional sobre o Rio Oiapoque.

Educação
Dentre os projetos do Plano de Desenvolvimento da Educação, vinculado ao Ministério da Educação, executado pelo INEP, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, na Região Norte, Estado do Amapá, as Escolas Públicas Urbanas estabelecidas no Município de Oiapoque obtiveram os seguintes IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), em 2005:
IDEB, escola e ranking estadual
NotaEscolaRanking
3,0Escola estadual Joaquim Caetano da Silva102º
5,2Escola estadual Joaquim Nabuco103º
3,9Escola municipal Professora Maria Leopoldina A. Rodrigues116º



NEWSLETTER

Receba nossas notícias em seu e-mail ou celular.

OIAPOQUE - Prefeitura Municipal de Oiapoque
RUA JOAQUIM CAETANO DA SILVA Nº 460 BAIRRO CENTRO - Oiapoque/AP - (96) 3521-2417 - contato@oiapoque.ap.gov.br
Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta de 08h às 13h
Site desenvolvido e hospedado pelo PRODAP - Centro de Gestão da Tecnologia da Informação
2017 - 2017 Licença Creative Commons 3.0 International
Amapá